segunda-feira, 30 de maio de 2011

Ex Governador Amim na Fla Brusque


No jogo contra o avai tivemos a presença do Ex Governador do Estado de Santa Catarina em nossa sede.
Na foto: Edson, Lauritzen, Fabio junto com Amim e seu filho João Paulo.

Segunda Feira!


Ótima semana a todos e lembrando que no próximo domingo teremos a despedida oficial de um dos maiores idolos do Flamengo nos ultimos tempos.

sábado, 28 de maio de 2011

BRASILEIRÃO 2011

Amanha tem jogo valido pela segunda rodada do campeonato nacional, Flamengo X bahia, as 16hrs.

Espero todos presentes na sede da FlaBrusque para dar moral ao time, nessa caminhada rumo à conquista do Hepta campeonato.

Srn.


video

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Quer jogar? Quer jogar? o Mengão vai te ensinar!!! 27.05.2001

Irei tentar contra pra todos vocês um pouco do que eu e dezenas de brusquenses sentimos naquele final de semana de maio de 2001, no qual agora 10 anos depois ainda nos trás grandes e infinitas emoções.
Nas finais de 99 e 2000 eu já havia feito excursões para os jogos finais no Rio de Janeiro, porem, com um considerável prejuízo em 99 e um digamos empate entre despesas e receitas em 2000, claro que tudo foi recompensado com os títulos que o Flamengo conquistou ficando a condição financeira em segundo plano pois estávamos voltando sempre com os títulos na bagagem.
Aproximando a data da final e confirmado o cruzamento contra o vasco, planejei mais uma vez a ida do pessoal ao Rio, porem, com os cuidados e a preocupação para não tomar novamente um revés tive o auxilio do Ivan Jasper.
Tudo planejado, com ônibus e hotel faltava os ingressos ainda que seriam disponibilizados somente antes da partida final, e nossa preocupação aumentou mais ainda pois um final de semana antes o Flamengo perde de 2x1 para o vasco na primeira partida . E agora? Quais os rubro negros dispostos a irem ao Rio sabendo que precisaríamos de 2 gols de diferença?
Na segunda feira começaram aparecer alguns nomes timidamente e os vascaínos eufóricos começaram a me ligar, como já havia tomado prejuízo anteriormente não poderia deixar ninguém de fora e correr o mesmo risco, porem com o passar da semana comecei a receber ligações de tudo quanto é lugar e na maioria esmagadora de rubro negros!
Felipe me liga de Blumenau com 15 pessoas e diz: nós vamos porem queremos um ônibus só rubro negros e não com vascaínos misturados! E agora? O que eu faço? Me empolguei e aluguei mais um ônibus, portanto ficando um somente com rubro negros e outro misto.
Ao contrário do que pensei não tive problemas para lotar o segundo busão, muito pelo contrario, as ligações não paravam e na quinta feira estava tudo lotado. Problema seguinte: ingressos! Liga pra um e pra outro, vários contatos e o Ivan resolveu ir na sexta feira ( de avião) pro Rio garantir todos os ingressos e deu tudo certo.
Sexta feira saída programada para as 18:30 da igreja matriz do centro, após as 16:00 alguns já se concentravam no platz esperando toda a rapaziada.
Antes do embarque a confiança dos vascaínos e a fé dos rubro negros se misturavam, formando no ônibus que viajei um ótimo clima de amizade e companherismo, porem, é claro eram inevitáveis as gozações por ambos os lados! Nosso amigo vascaíno gandula profetizou antes de entrar no ônibus: Só vou mesmo porque tenho certeza que o vasco será campeão!
Amigo do Cervi conhecido como naninha chegou pra embarcar dizendo que tinha brigado com a mãe e não tinha dinheiro pra viajar, como já tinha pago antecipadamente a passagem foi assim mesmo emprestado grana da galera.
Galera que veio de Blumenau já preparada em um ônibus, nossa turma em outro, chegando junto com a galera da primeiro de maio, malinho, alemão, dite, canário,pires e entre outros. Estamos na duvida de um tal dentista que chegaria e poderia ser muita “mala” e coisa e tal... quando chegou a tal figura vimos que era dos nossos e passou pro fundão do ônibus com a galera do estouro!
Depois de muito cânticos na praça do centro da cidade partiu nossa excursão rumo a cidade maravilhosa, 16 horas pela frente, muitas paradas na estrada, muita musica, alegria e muita, mas muita mesmo, bebida pra segurar a galera ligado até o Rio.
Chegamos ao Rio próximo do meio dia, durante aquela tarde alguns se deslocaram a Gávea, outros a São Januário, outros a pontos turísticos da cidades e claro alguns descansando da longa viagem.
Ficamos hospedados no hotel Granada, na Lapa em cerca de 80 pessoas. No hall de entrada do hotel combinamos que da chegada ali até meio dia de domingo quando iríamos sair para o jogo todos estavam liberados para fazerem o que quisessem.
Lembro que alguns foram para o show do Rappa e outros para uma boate na zona sul. Eu, Marcelino, Serginho da Fip e o tal dentista fomos para uma chopperia em Copacabana. Dali partimos para encontrar todos os outros que foram para o baile funk em rio das pedras. Nós de taxi e toda a galera alugou Kombi e Van.
Quando chegamos no local vimos uma multidão e ficamos apreensivos mas entramos. Eu e o dentista éramos os únicos dois que estavam de camisa de botão, vendo isto, compramos duas camisetas do próprio baile e entramos para encontrar todo o pessoal por La.
O Ivan tinha agitado um camarote, fomos todos pra la e conhecemos pela primeira vez a cerveja itaipava!!! Um real a lata o Serginho comprou 100 pra galera que fez uma vaquinha e comprou mais 100. Colocaram duas bombonas e começou a festa.
Baile rolando e la pelas 3 da manhã anunciaram o INICIO do baile, a gente sem entender muito ficou olhado uma cascata de fogos que caia em frente as caixas de som e um maluco sem camisa em baixo dos fogos, quando virou-se vimos quem era: Ricardinho, atual presidente da Fla Brusque.
Daqui a pouco o DJ começou a falar e anunciou que iria tocar o hino dos clubes. Primeiro o do botafogo com alguns gatos pingados levando a mão, em seguida foi do Fluminense e a mesma coisa aconteceu. Foi então que ele disse assim: vamos tocar o hino do clube que vai ser campeão amanha e começou a tocar o hino do Vasco, muita gente agitando e tal ele para do nada, apontam o canhão de luz pro nosso camarote e anunciam: Agora vamos tocar o hino do clube que será o campeão e que a galera de Brusque, Santa Catarina veio aqui pra ver de perto.
Confesso que nunca tinha visto nada igual, o baile tremeu, parecia o Maracanã,lembro que o Cristiano Pires, vascaíno, falou o seguinte: Meu Deus cara, parece que todo mundo auqi é flamenguista!
Foi um agito muito legal, uma coisa diferente,e naquele momento já tínhamos certeza que a magia estava no ar.
No outro dia, ansiedade pelo jogo, muita gente chegando no hotel porque aproveitaram a parte da manha para passear e tal e o pessoal se juntando e contando o que tinha feito no dia anterior.
Chegou a hora, juntamos todos e fomos a caminho do Maraca, chegamos cedo e orientamos a galera que iria para o lado vascaíno. Nós rubro negros caminhamos da quinta da boa vista ate o estádio, no caminho o alemão ( do cachorrão) me disse : cara vou fazer tudo eu tu fizeres já que tem um pouco de experiência de vir aqui. Eu cuspia ele fazia o mesmo, tomava cerveja ele fazia o mesmo e foi uma gozação sem tamanho até a chegada no Maraca.
Entramos no templo do futebol cedo, se posicionamos a direta da Raça Rubro Negra e como aquela época ainda se vendia cerveja no estádio estávamos tranquilos.
Ansiedade de toda final, torcida do Vasco confiante com uma faixa escrita: Vice é o c.... e a torcida do Mengão no maior gás agitando sem parar.
A história do jogo todo mundo já sabe, saímos na frente e durante todo o 1 tempo não paramos um minuto, porem no finalzinho Juninho paulista faz o gol que da uma gelada na nossa galera toda e ascende os vascaínos que não pararam durante o intervalo. Veio o 2 tempo e a galera do mengo começou novamente a empurrar o time, foi quando eu fiz um comentário totalmente infeliz com o cervi: Cara se der uns 20 minutos e não sair nosso gol vamos comer uma pizza no bar do estádio e ficar prontinho pra sair antes de terminar o jogo.
Pouco tempo depois Edilson faz 2 x1 pra gente, explode o Maracanã e nossa torcida carrega o time acreditando no titulo.
O tempo foi passando e chega os benditos 43 do segundo tempo e a falta . O que consigo me lembrar do momento que ela entrou é que caímos todos no chão durante a comemoração, um misto de sensação de êxtase e alegria, não poderia acreditar que aquilo estava acontecendo.
Cada lado que você olhava tinha alguém chorando e todos abraçados. A alegria indescritível sentida naquele momento do gol era então substituída por uma rápida apreensão para que chegasse o termino do jogo.
Fim de jogo passa um filme na cabeça da gente, pensando nos rubro negros em casa, na nossa cidade, na alegria de um País inteiro e claro, na tristeza dos vascaínos.
Muito tempo depois saída do Maraca, faixa de tricampeão no peito, alegria de ser Rubro Negro cantada a todos pulmões.
Entramos no ônibus com os vascaínos incrédulos e alguns fingindo um sono que não existia e que se existisse seria com pesadelos terríveis.
Encaramos mais 16 horas de estrada com toda a tranquilidade e felicidade do mundo ao hit que tínhamos conhecido no sábado a noite, quer dançar? Quer dançar? O tigrão vai te ensinar! Traduzida pela massa Rubro Negra no domigo, Quer jogar? Quer jogar? O Mengão vai te ensinar!

Para registro geral assisti a 13 finais do Flamengo e ganhei as 13 que fui ver! Essa de 2001 é claro é a que tenho de mais especial guardada no meu coração.
Sexta Feira, 27.05.2001!!! 10 anos!!! que saudade, que alegria incrível que vivemos naquela tarde de domingo!



Ps. Posso ter esquecido de algum detalhe ou até trocado alguns pontos, porem, quem esteve presente pode acrescentar nos comentarios. SRN

O Gringo

A carreira dele todos devem admirar, mas só os Rubro-Negros podem se emocionar ao ver as cenas. Maior camisa 10 depois de Zico, Petkovic começou a escrever seu nome na história do Mais Querido a partir de um gol de falta aos 43 minutos do 2º tempo no dia 27/05/2001. Amanhã fazem 10 anos!!

Vejam o trailer do filme:


quarta-feira, 25 de maio de 2011

O Tri de 2001 contado por Zagallo!


Zagallo: 'O tri com o gol do Pet foi uma verdadeira Copa do Mundo’
Velho Lobo se emociona ao lembrar falta cobrada pelo gringo em 2001 e diz que título apagou parte da dor pelo vice da Seleção em 1950, no Maracanã



Zagallo revê o lance do gol. Durante a trajetória da bola na falta cobrada por Pet, os olhos se enchem de lágrimas, a voz embarga e o Velho Lobo mostra os pelos do braço arrepiados. Dez anos se passaram desde o histórico gol marcado aos 43 minutos do segundo tempo, a vitória por 3 a 1 sobre o Vasco no dia 27 de maio de 2001, e o tricampeonato estadual. Em vez de apagar, o tempo alimentou de emoção a cada dia, mês e ano a memória do ex-técnico rubro-negro.


O então treinador Zagallo vestindo a camisa rubro-negra e de colete, à beira do campo na partida contra o Vasco, no Maracanã, em 2001 (Foto: Hipólito Pereira/Agência O Globo)Aos 79 anos, Zagallo afirma que a conquista diante da torcida do Flamengo em um Maracanã lotado apagou um pouco sua dor pela vitória do Uruguai sobre a Seleção Brasileira, em 1950, no estádio carioca. O técnico revela o discurso que adotou para amenizar os problemas de relacionamento entre Petkovic e Edílson, exalta sua carreira vitoriosa no Rubro-Negro e recorda a imagem de Eurico Miranda, então presidente do Vasco, já no gramado, dando baforadas no charuto à espera do título que não veio.

Com um currículo vitorioso, Zagallo ainda tinha uma dose de emoção guardada para a reta final de sua carreira como técnico. E bem no final, aos 43 minutos do segundo tempo, na sua última conquista no Maracanã. Naquele 27 de maio de 2001, agarrado à sua imagem de Santo Antônio, o Velho Lobo só tinha um pedido:

- Era fração de segundos para ganhar o título. Com a torcida, a fé, a imagem de Santo Antônio na minha mão, pensei: "É, vai ser agora, vai ser mesmo’. E não deu outra. Deus me abençoou, iluminou a mim e ao Pet.

Dia 27 de maio de 2001. Dez anos se passaram. Nesta data, o senhor também vai relembrar tudo que aconteceu no Maracanã? Mesmo tanto tempo depois, ainda arrepia?

Você falou no arrepio e ele já veio (mostra os pelos do braço arrepiados). Veio porque é deslumbrante. Você conviver, viver aquilo que aconteceu em 2001. Estamos em 2011, lembro os detalhes como um filme que passa a toda hora, todo instante, todo momento. Estou falando aqui e vejo o Pet colocar a bola no gramado, se preparar para chutar. E eu torcendo como nunca para que ela entrasse. Só com o Pet, que chutava muito bem, aquela bola poderia conseguir o impossível. O impossível aconteceu: a bola colocada no ângulo, fora do alcance do Helton, que hoje está em Portugal fazendo milagres. Mas o milagroso dessa falta foi o chute determinado, imposto pela sua categoria e a vontade de que aquele terceiro gol entrasse naquele ângulo. Deus quis que o título, aquele jogo, aquele gol mostrassem a realidade de um jogador fabuloso que foi o Pet, fazendo o terceiro gol para vibrar sozinho, depois com todos os jogadores e com a majestade da torcida maravilhosa que é a do Flamengo. Naquele dia, tudo era ansiedade, desde a concentração, a subida no ônibus, o caminho para o Maracanã, a imensa torcida ao lado do ônibus gritando "Mengo, Mengo, vamos ganhar". São memórias que ficam e jamais sairão da minha retina.

A conquista do tricampeonato sobre o Vasco, da forma como foi, teve o mesmo gosto de uma Copa do Mundo?

Às vezes, até mais. Naquele tricampeonato, eu estava dentro do meu país, no Maracanã, onde tive uma decepção tremenda. Como soldado da polícia do exército, estava no Maracanã e vi o Brasil perder para o Uruguai a final da Copa de 1950. Nesse mesmo estádio, repleto de uma torcida inflamada como a do Flamengo, o tricampeonato com o gol do Pet foi uma verdadeira Copa do Mundo. Por exemplo: em 1970, foi sensacional, meu terceiro título mundial, o primeiro como técnico da Seleção Brasileira. Estava no México, o mundo passava através da minha cabeça, pensava no Brasil, no Maracanã. No tricampeonato pelo Flamengo, eu estava no Maracanã com a torcida preta e vermelha toda gritando "Mengo, Mengo, Mengo". Não é fácil.

Naquela decisão, além da superação dentro de campo, foi preciso vencer uma série de problemas internos, rixa entre Pet e Edílson. Como o senhor fez para unir o grupo na busca pelo título, ainda mais depois da derrota por 2 a 1 na primeira partida da final?

Quem vê uma vitória final não sabe o que passamos durante a competição em 2001. Houve problemas internos, todos sabiam que o Pet e Edílson não se davam, aconteceram várias reuniões: eu com o grupo, o elenco sozinho para falar sobre o assunto, pois já estava quase na véspera do jogo e nós estávamos abordando o caso. Disse que tínhamos que trabalhar, nos unir, pois dentro de campo o que vale é o preto e vermelho, a união. Se fora de campo eles (Pet e Edílson) não se davam, era outra questão. Dentro do jogo, a coisa tinha que ser diferente. E realmente foi. Levamos os problemas a um bom senso, de fato os jogadores se uniram e fomos para o Maracanã com um único objetivo: ganhar o tricampeonato. E conseguimos, com sangue, suor e lágrimas.

E o Edílson marcou dois gols, um deles de cabeça depois de passe do Pet, e também sofreu a falta que originou no gol do título...

Sim. O Edílson fez um gol de cabeça com um passe do Pet. Eles estavam ligadões, pensando só no jogo, na vitória, não pensavam mais nos problemas extracampo. Isso foi fundamental para o trabalho do grupo pela vitória.


Zagallo assiste ao gol de falta de Petkovic, dez anos depois, e mostra os pelos do braço arrepiados durante entrevista (Foto: Pedro Veríssimo / Globoesporte.com)Esta conquista ficou muito marcada para os torcedores do Flamengo. Dez anos depois, como é a relação da torcida quando aborda o senhor na rua?

Hoje, qualquer telefone celular tira foto. Quando o torcedor fala comigo, cita o gol do Pet, comemora, diz que tem que agradecer a vida toda por aquela conquista. Apesar de o tempo ter passado, eles querem uma foto comigo. E lembram também a frase "vocês vão ter que me engolir". Sou querido pelo povo brasileiro.

Hoje, quando o senhor lembra do título, a emoção ainda é visível. Como é essa ligação com o clube, o tricampeonato, a paixão rubro-negra?

O Flamengo marcou minha vida. Jogava no juvenil do América em 48 e 49, depois fui para o exército. Lá tinha um jogador, o lateral Gerson, que era do juvenil do Flamengo e que me fez o convite para ir até o clube. No América, nunca tinha recebido dinheiro, era um sócio-contribuinte, meu pai pagava 20 mil réis para eu jogar vôlei, pingue-pongue, fazer natação e futebol. Eu pagava para jogar. O Jaime de Almeida, que era o técnico do Flamengo na época, gostou, e fizeram minha transferência para o Flamengo usando como ponte o Canto do Rio. Foi uma nova vida futebolística. Como jogador, fui tricampeão pelo Flamengo em 1953, 54, 55, já tinha raízes. Depois, a vida continuou, retornei ao Flamengo e encerrei minha carreira como técnico no clube. No final da minha vida, tive uma alegria como a de 2001. Foi uma felicidade total. Depois de ser tri como jogador, Deus me proporcionou estar no tricampeonato como treinador.

Podemos dizer que o Pet ajudou nesse desfecho com chave de ouro? O que pode falar dele como jogador e pessoa?

Falar sobre o Pet é importante na minha vida, pelo convívio que tive nesse período, na conquista do tricampeonato. Ele era um jogador difícil. O treinador tinha que ter um bom convívio, jogo de cintura, saber lidar com ele, que era uma boa pessoa. De vez em quando, ele ia para Iugoslávia, voltava fora do tempo, e eu conversava para trazer o jogador para mim e para o Flamengo. O técnico tem que ter um pouco de psicologia. Eu era como um pai, já que o Pet tem idade para ser meu filho. Ele é um cara bacana, jogava demais. Eu precisava dele dentro do time. Ele era diferenciado. Não sei como na Iugoslávia não foi titular da seleção. Não foi lá, mas felizmente foi junto comigo conquistando um grande título. Parabéns para você, Pet. Que bom eu ter te conhecido. Mesmo com os problemas, você soube lidar comigo, eu soube lidar com você, e nós ganhamos juntos um tricampeonato. Dentro do Maracanã, foi o meu grande título daquele ano. Depois, na minha despedida, ainda conquistamos a Copa dos Campeões sobre o São Paulo, com outro gol de falta do Pet.

Ele era um jogador difícil.
O treinador tinha que ter um
bom convívio, jogo de cintura, saber lidar com ele, que era
uma boa pessoa"Zagallo, sobre PetkovicPet honrou a mística da camisa 10 do Flamengo?

Não tem dúvida. A 10 do Flamengo tem um grande significado na vida rubro-negra. Chama-se Zico, que foi o grande 10, fez chover e ganhou muitos títulos. Numa época diferente, não tinha o Zico, mas apareceu um gringo, um gringo chamado Pet, que soube honrar a camisa 10, jogou maravilhosamente, e, em 2001, relembrou grandes feitos do vitorioso Zico.

É possível resumir em uma ou poucas palavras aquele momento de 2001?

Eu não tenho mais palavras para falar. Era fração de segundos para ganhar o título. A torcida, a fé, a imagem de Santo Antônio na minha mão, pensei: "É, vai ser agora, vai ser mesmo". E não deu outra. Deus me abençoou, iluminou a mim e ao Pet.

O senhor consegue pensar como foi do outro lado, a tristeza dos vascaínos que comemoravam até os 43 minutos do segundo tempo?

Eu pensei primeiro no título que poderia ser conquistado. Vi e convivi com a derrota do adversário. A alegria que momentos antes eles estavam era minha naquele momento. A tristeza do Joel. As baforadas do Eurico Miranda na beira do campo antes do gol. O título era nosso.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Aguardem pq na sexta feira contarei aqui nossa historia de 2001...

Era um dia frio, sem chuva. Seria um dia chato, não fosse o Maracanã lotado e a expectativa de um título. Ele não era fanático, sequer tinha visto o estádio lotado na vida, até então. Tinha 13 anos e torcia, timidamente, para o Palmeiras, apesar de morar no RJ.

Naquele domingo seu pai o levou na final. De bandeira, camisa e ingresso na mão, chegou assustado com a multidão. Entrou faltando 15 minutos pra começar e, quando olhou em volta, disse: “Pai, quantas pessoas tem aqui?!?”.

- Muitas, filho… uma nação inteira, disse o pai.

Aquela multidão explodiu em faixas, bandeiras e papel picado minutos depois. O garotinho se encolheu com medo e sentou. Com 1 minuto de jogo a torcida levantou e não deixou que o guri visse mais nada. Ele ouvia, sentia, mas não assistia.

Seu pai, rubro-negro fanático, não tinha muita esperança de que seu pivete palmeirense um dia se envolvesse com futebol. Jamais mostrou grande interesse, e só torcia porque tinha um amigo que era palmeiras.

O Flamengo saiu ganhando, mas não bastava. Tinha que ser com 2 gols de diferença, ou nada. Seu pai explicou que “faltava um”, e o garotinho não entendeu. Afinal… vitória não é vitória de qualquer jeito?

Sofreu um gol, e ele não tirou sarro do pai como sempre fazia. Ficou triste, como que contagiado pela multidão. O outro lado, 40% do estádio apenas, fazia barulho, e ele ouvia o silencio da nação a sua volta. Segundo ele, o silencio mais dolorido que já escutou na vida.

O Flamengo fez o segundo, e o garotinho, se envolvendo com o jogo, vibrou. Pulou no colo do seu pai e o abraçou como se fosse um legítimo urubuzinho.

Não era, ainda.

A torcida começou a cantar o hino, que ele sabia de cor de tanto ouvir o pai cantar. Pela primeira vez, cantou num estádio, e fez parte da nação. A angustia de milhares não passou em branco. Em mais alguns minutos o garotinho suava e já rezava de mãos grudadas ao peito.

O Flamengo virou, mas não bastava.

40 minutos do segundo tempo. Mesmo com 2×1 no Placar, a nação ouvia gozações do outro lado. Ele não entendia, e fez o pai explicar, mesmo num momento dramático do jogo.

Atencioso, o pai sentou e contou pro garoto que o Flamengo precisava ter 2 gols de vantagem, porque a vitória por um gol empataria a soma de 2 jogos, e o empate era do rival. Ele não entendeu bem, mas simplificou em sua cabeça: “Mais um e ganharemos”.

Opa… “ganharemos”? Ele não era palmeirense?

E então, aos 43 minutos, onde alguns já se mexiam na direção da saída, uma falta do meio da rua. Seu pai vibrou e ele questionou: “O que foi? Foi pênalti!? “

- Quase isso, filho!! Dali pro Pet é pênalti!!, profetizou o pai, ignorando a distancia da falta.

A cobrança… o silencio eterno de 1 segundo e a explosão. Gol do Flamengo! Petkovic! E seu pai o abraça como nunca abraçou em toda sua vida. Pula, joga o garoto pra cima, beija, chora…

O garotinho, numa mistura de susto com euforia, olha em volta e, de braços abertos, comemora em silencio um gol que não era dele. Sem razão, ele chora. E chorando, abraça o pai que, preocupado, rompe a alegria e pergunta: O que foi? O que foi? Se machucou?

- Não… Eu to feliz, pai!

Sem mais palavras, o pai sentou e abraçado ao garotinho deu um abraço de tricampeão. O jogo acabou, e os dois continuaram abraçados.

A festa rolando, os dois assistindo a tudo aquilo emocionados, o garotinho absolutamente embasbacado com a cena, já que nunca havia visitado um estádio lotado, muito menos uma decisão. O pai olhava pro campo e pro filho, porque sabia que, talvez, aquele fosse seu único momento na vida onde teria a imagem de seu garoto comemorando um titulo do time dele.

E chorava, sem vergonha nenhuma de quem estivesse em volta.

O menino foi embora pensativo, eufórico. Em casa, contou pra mãe com uma empolgação incomum sobre tudo que viveu naquela tarde. E não falava do jogo, apenas da torcida. Iludido por uma frase, contou pra mãe:

- Aí, no finalzinho, teve um pênalti! E o Flamengo fez o gol…
- Não filho… não foi pênalti! Foi de falta.
- Mas você disse que foi pênalti…
- Era modo de falar…. hahahahahah
- Então, mãe… aí, o cara fez o gol e a gente foi campeão!!!

Pronto. Aquele “a gente” fez o pai parar de colocar cerveja no copo, virar a cabeça lentamente e perguntar, com medo da resposta:

- A gente, filho?

(silencio…)

- É pai! O Mengão!!!!!

Emocionado, o pai abraçou o garoto e não falou nada. Ali, seu maior sonho virava realidade. A mãe entendeu, deixou os dois na cozinha e saiu de fininho, enquanto o pai começava a contar de uma outra final que viveu em mil novecentos e bolinha, com toda a atenção do novo rubro-negro.

Hoje o garoto tem 21, completados há alguns dias.

Quando seu pai perguntou o que ele queria de presente este ano, a resposta foi essa:

- Dois ingressos, uma bandeira, a camisa nova e ver você chorando igual aquele dia.

E há quem diga que “futebol é bobagem”…

Abs,
RicaPerrone

Sexta Feira - dia 27 de maio... 10 anos atras em 2001...



Essa semana vou contar a saga dos brusquenses que foram ao Riod e Janeiro nessa data especial...

Lembrado de várias formas e ângulos, com sorrisos, lágrimas de alegria ou tristeza, o dia 27 de maio de 2001 entrou para a história. Para Pet e o Flamengo, com um final feliz escrito aos 43 minutos; para o Vasco, uma dor que nem o tempo consegue apagar

domingo, 22 de maio de 2011

Flamengo 4 x 0 Avaí

Melhores momentos de Flamengo 4 x 0 Avaí.

Aos que vão dizer que jogamos contra os reservas do Avaí e que golear não foi mais do que obrigação, quero dizer que concordo, mas que finalmente jogamos como tínhamos que jogar contra a maioria no campeonato carioca e copa do Brasil. Esse é o padrão de jogo do Flamengo contra timecos: jogar bem, envolver o adversário e golear. Em clássicos e "pedreiras" podemos ganhar de um a zero e sofrer, mas contra adversários despreparados temos que nos impor como HEXACAMPEÕES que somos. E sem dúvida, ontem vimos a melhor atuação do R10 com o manto. Que seja o primeiro de muitos shows do dentuço!
Faltam 37 jogos para o hepta!!

SRN!

video

sábado, 21 de maio de 2011

VAI COMEÇAR A FESTA RUMO AO HEPTA


Hoje é o inicio da trajetória rumo a mais um título Brasileiro.

O jogo será contra o misto dos manes da ilha, às 18h30min, o Flamengo entra em campo para conquistar os seus 3 primeiros pontos e também para já fazer um bom saldo de gols, porque sendo ou não um misto, temos a obrigação de vencer times insignificantes.

Será um longo campeonato, espero e estou confiante para que no fim essa taça venha para a nossa coleção.

Até daqui a pouco na sede.

SRN.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Compromisso Marcado Sábado 18:30 - Arrancada rumo ao HEPTA


Como vai você, rubro-negro?

Pois é, depois de quase dez dias sem o nosso querido, inigualável e insubstituível Mengão, à partir das 18:30h desse sábado, começaremos nossa caminhada nesse campeonato do qual somos os maiores campeões, sem asterisco agora, diga-se de passagem.

Muitas dúvidas surgindo...

Será que Ronaldinho CTG vai enfim tirar a bombacha e vestir calção e chuteiras para entrar em campo como nos bons tempos, sendo aquele Predador que todos nós esperamos?

Será que Deivid vai enfim vai parar de gaguejar na frente do gol, na hora mais decisiva?

Será que Wanderley vai enfim calibrar o pé de rodo e transformar-se de vez na imitação paraguaia do nosso Nunes, o João Danado?

Será que a nossa lateral esquerda voltará a funcionar como nos tempos de Júnior, Leonardo, Athirson, Gilberto e Cia Limitada?

Não sei dizer, isso é tudo uma incógnita, que graças a São Judas Tadeu não serve pro Thiago Neves, o nosso incansável, que acaba de ser convocado pra seleção de Mano Menezes depois desse belo início de temporada no Mengão. Nosso manto caiu como uma luva pra ele!

Por falar nisso, confesso que não dou a mínima bola pra essa seleção, simplesmente porque a minha seleção é o Flamengo. Até porque essa outra seleção é penta e nós somos HEXA, desculpe!

Então é isso, amanhã esperamos todos na FLA-Brusque com o pensamento positivo de que esse 2011 está muito parecido com 2009, você não acha?

SRN

Fernando Lauritzen
(direto do Ribeirão da Ilha em Floripa, mais especificamente do Bar Azul, saboreando um apetitoso bacalhau a moda Julinho)

** graças ao nosso amigo Arthur Muhlenberg esse nosso comentário também está no Urublog do Globoesporte.com: acessem http://globoesporte.globo.com/platb/arthurmuhlenberg

**** na foto acima está o rubro-negro Juliano Dell'agnolo (Xamba) segurando a Taça do Mundial de 1981 no dia da Exposição Flamengo Campeão Mundial 1981 que esteve na sede da FLA-Brusque recentemente.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

BRASILEIRÃO 2011!!! VAI COMEÇAR A FESTA...

Maio:

21 – Flamengo x Avaí – Engenhão
29 – Bahia x Flamengo – Pituaçu

Junho:
05 – Flamengo x Corinthians – Engenhão
12 – Atlético Paranaense x Flamengo – Arena da baixada
19 – Flamengo x Botafogo – Engenhão
25 – Flamengo x Atlético Mineiro – Engenhão
29 – América/MG x Flamengo – Arena do Jacaré

Julho:
07 – Flamengo x São Paulo – Engenhão
10 – Fluminense x Flamengo – Engenhão
17 – Palmeiras x Flamengo – Pacaembu
23 – Flamengo x Ceará – Engenhão
27 – Santos x Flamengo – Vila Belmiro
30- Flamengo x Grêmio – Engenhão

Agosto:
03 – Cruzeiro x Flamengo – Arena do Jacaré
06 – Flamengo x Coritiba – Engenhão
14 – Figueirense x Flamengo – Orlando Scarpelli
18 – Flamengo x Atlético/GO – Engenhão
21 – Internacional x Flamengo – Beira Rio
28 – Flamengo x Vasco – Engenhão
31 – Avaí x Flamengo – Ressacada

Setembro:
04 – Flamengo x Bahia – Engenhão
07 – Corinthians x Flamengo – Pacaembu
11 – Flamengo x Atlético Paranaense – Engenhão
18 – Botafogo x Flamengo – Engenhão
21 – Atlético Mineiro x Flamengo – Arena do Jacaré
25 – Flamengo x América/MG – Engenhão

Outubro:
02 – São Paulo x Flamengo – Morumbi
09 – Flamengo x Fluminense – Engenhão
12 – Flamengo x Palmeiras – Engenhão
16 – Ceará x Flamengo – Presidente Vargas
23 – Flamengo x Santos – Engenhão
30 – Grêmio x Flamengo – Olímpico

Novembro:
06 – Flamengo x Cruzeiro – Engenhão
13 – Coritiba x Flamengo – Couto Pereira
16 – Flamengo x Figueirense – Engenhão
20 – Atlético/GO x Flamengo – Serra Dourada
27 – Flamengo x Internacional – Engenhão

Dezembro:
04 – Vasco x Flamengo – Engenhão

domingo, 15 de maio de 2011

CAMPEONATO BRASILEIRO

É isso ai nação, no próximo sábado (21/05), se inicia mais um campeonato para o Mengão.

É hora de deixar tudo o que passou para trás e seguir em frente apoiando o time incondicionalmente!

Nação Rubro-Negra de Brusque, vamos todos então dar essa moral ao time assistindo ao jogo na FlaBrusque, para que possamos iniciar o campeonato bem.

Um grande abraço a todos e nos vemos no jogo, até lá.

SRN.

video

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Vou amanhecer mais Flamengo do que hoje...Nunca vou torcer pro time alheio perder pra me sentir campeão de MERDA NENHUMA...Sou Flamengo e não olho pra taça alheia...a minha vem, mesmo que uma ou outra se percam pelo caminho...VAMOS FLAMENGO, VAMOS SER CAMPEÕES, VAMOS FLAMENGO, E A PRÓXIMA TAÇA VAMOS CONQUISTAR, VAMOS FLAMENGO...

quarta-feira, 11 de maio de 2011

E acaba de chegar São Judas Tadeu...


É com essa frase aí de cima, que foi dita pelo comentarista Washington Rodrigues, o Apolinho, na final do carioca de 2001 contra os vices bem na hora em que Sir Petkovic The Best foi bater aquela falta lá onde o urubu repousa, que começo essa mensagem de hoje.

O jogo de hoje para o Mengão é um divisor de águas. Se perder a classificação para o Ceará vai dar o bicho, vão chamar o Ronaldinho CTG de tudo, vão dizer que o Luxa tá um velho gagá, vão dizer que a presidente não sabe nem fritar um ovo, enfim, vai ser aquele Flamengo de uns tempos atrás que ninguém mais quer ver e nem ouvir falar. Agora se nós tocarmos um ninho de cupim nessa tal de carroça desembestada e viermos do Ceará com a classificação, meu amigo, aí o bicho vai pegar.

Se o Ronaldinho CTG jogar hoje a noite 10 por cento do que ele jogou quando foi eleito o melhor jogador do mundo (e é isso que todo mundo está esperando desde o início do ano!) o Flamengo vai engrenar de vez e aí ninguém segura. Estou confiante porque acredito que o Flamengo tem que jogar pelo menos uma excelente partida esse ano e essa é a hora!

Só espero que o avião de São Judas Tadeu tenha chego em Fortaleza no horário porque hoje vamos precisar dele e dos 40 milhões de torcedores vibrando no mesmo pensamento: o positivo!

Saudações rubro-negras e até hoje a noite na sede da FLA-Brusque.

Fernando Lauritzen
(direto da Gruta de Azambuja, enchendo o galão de água benta)

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Domingo sem futebol

 
  Eu não sou do tipo que zoa de torcedores dos outros times e também não tenho tido muita paciência pros  outros campeonatos regionais. Então, pra mim esse foi um domingo pra ir a praia com a esposa, abraçar a mãe, a vó e tomar umas geladas enquanto meu pai (que misteriosamente torce pro Flamengo e pro Santos ao mesmo tempo) via o "jogão do domingo". Confesso que não assisti ao tal jogo e acho que não perdi nada.
  Não sei se a culpa é minha que enjoei de futebol ou desse Flamengo maravilhoso que se não está em campo; parece não fazer sentido olhar praquelas linhas brancas em cima de uma grama verde. O fato é que eu preciso que o Mengão volte a campo na 4ª, vença o jogo e siga na copa do Brasil; porque senão, seguirão dias de tédio até começar o brasileirão.
  Jogando bem ou mal, perdendo ou ganhando esse domingo só fez lembrar que "eu teria um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo".

SRN!

Sigam a FlaBrusque no twitter, notícias sobre Léo Moura,Diego Mauricio e Deivid: http://twitter.com/#!/FlaBrusque

domingo, 8 de maio de 2011

MINHA HISTÓRIA - SILMARA A. PEREIRA


Minha história com o Flamengo começou desde pequena, pois sempre gostei de preto e também de vermelho, porém não torcia A time algum.

Quando conheci a Fla-Brusque através do meu amigo, eu me apaixonei pelo Flamengo e desde então, sempre tenho acompanhado aos jogos e apoiando o time Rubro-Negro.

Hoje tenho muito orgulho de ser Rubro-Negra e amo muito o Mengão.

Sempre estou tentando fazer com que a torcida de Brusque se envolva mais com a sede da Fla-Brusque, estou sempre tirando fotos e convidando torcedores do Flamengo que não comparecem na sede.

Obrigado a todos da Fla-Brusque por abrir esse espaço para os torcedores e de manter o espaço da sede sempre aberta a todos os Flamenguistas.


FAÇA VOCÊ TAMBÉM PARTE DESSE ESPAÇO, CONTE UM POUCO DA SUA HISTÓRIA COM O MENGÃO E ENVIE PARA FLABRUSQUE@HOTMAI.COM

ATT. ANDERSON ANGIOLETTI

SRN

sábado, 7 de maio de 2011

Posters do Mengão

  O pessoal tava me pedindo na quinta-feira, então vim informar que recebi em minha Livraria os pôsters do Mengão campeão Carioca 2011. São 3 modelos diferentes e o preço varia de R$ 2,99 a R$ 3,50.
Abaixo as capas. Quem quiser comprar o seu, é só passar no Livreiro Livraria ali no Archer da Felipe Schmidt.

SRN!


quarta-feira, 4 de maio de 2011

FLAMENGO X CEARA


DAE GALERA
O CAMPEAO CARIOCA POR 32 VEZES ENTRA EM CAMPO AMANHA CONTRA O CEARA NO ENGENHAO!
AINDA SEM LEO MOURA E DAVID BRAZ VAMOS PRA CIMA DELES GANHAR PRIMEIRO O CAMPEONATO CEARENSE KKKKKKKKK E DEPOIS CONQUISTAR O BRASIL!
HORARIO: 21:50
TODOS NA FLA BRUSQUE!

SRN

terça-feira, 3 de maio de 2011

Em entrevista, Luxa conta pormenores do título Estadual

Treinador elogiou jogadores, reafirmou amor pelo Fla e contou como planeja o ano no clube

  Um dia depois do primeiro título nessa sua nova etapa no Flamengo, Luxemburgo concedeu entrevista coletiva. Animado, como não poderia deixar de ser, o treinador falou um pouco sobre tudo. Elogiou jogadores, explicou que entende as criticas da torcida, revelou alguns detalhes do planejamento rubro-negro para o ano e contou alguns detalhes, que não ficam visíveis para a Nação.
Confira na íntegra a entrevista coletiva de Luxemburgo, em tópicos:

Lado torcedor
  Nunca escondi que eu sou flamenguista. Acho que não tem nada a ver uma coisa com a outra. Sou profissional e já ganhei dois títulos contra o Flamengo. Mas o Flamengo jogando contra qualquer clube, eu sou Flamengo. Trabalhando no Flamengo, junta o lado profissional com o torcedor. Mas espero não ganhar mais sobre o Flamengo.

Estrutura rubro-negra
  Nas minhas duas passagens por aqui tive muita briga porque eu sou profissional de futebol. E vou sempre brigar por aquilo que é certo. Na primeira passagem, tinham prêmios atrasados, salários... Tinha que pagar passagem, apartamento. Briguei porque faltava até bola para treinar. Em 95, teve aquela confusão com o Romário. Um clube como o Flamengo não pode ficar refém de um jogador. O jogador tem de entender as cobranças e o que é o Flamengo. Nos outros clubes de menor investimento, tem CT e o Flamengo não tem. Eu já sou técnico há muito tempo e quero criar uma estrutura. Contratamos uma empresa e lá no Ninho já tem dormitórios para 40 pessoas, refeitório, departamento médico e auditório. Isso existe, por enquanto é provisório, mas vai começar a estrutura definitiva.

Críticas
  Convivo muito bem e procuro mostrar a opinião externa tem um interesse diferente.
Me preparei um pouco mais e consigo entender melhor essa competição com os analistas. Para eles, não fiz uma substituição boa e fica uma discussão eterna. Existem vários técnicos. Isso faz parte da minha vida e eu passei a entender. Procuro mostrar como funciona e procuro mostrar que o que prevalece é o pensamento de cada um. É entrar em campo e jogar bola. Não pode ficar preocupar com opiniões. Tem de ter respeito com o cidadão.

Futebol carioca
  O Flamengo, Fluminense e o Vasco têm histórico. Ganhar campeonato pode ganhar, mas isso não quer dizer que tem uma estrutura. Pode montar bons times, mas é um castelo de areia. Tem de se manter em alto nível, como estão o Internacional, São Paulo e Cruzeiro. Tem de participar da Libertadores, como acontece com a Champions, na Europa. O Rio vai vencer, São Paulo estava com a hegemonia. Só depende do Rio pegar esse momento e criar uma infra-estrutura para sustentar títulos por mais tempo. O próprio Fluminense está à nossa frente. Tanto que foi campeão brasileiro. Uma derrota amadurece. O Fluminense teve de ganhar muitos jogos na zona e saiu no último jogo, se eu não me engano. Isso
faz parte. O Flamengo passou um momento difícil.

Confiança em Felipe
  Precisávamos de um goleiro e ele se encaixava naquilo que eu penso para um goleiro. A bola do jogo tem de ser dele. Ele já tinha uma história que eu conhecia no Corinthians. O Felipe era importante para o projeto e explicamos para ele. E ele está mostrando que é um grande goleiro. O Flamengo está sendo muito bom para ele. Ele estava esquecidinho lá em Portugal. Está sendo uma troca.

Seleção brasileira para Felipe, Thiago Neves e R10
  Isso só pertence a eles. Temos de criar uma estrutura. A nossa equipe não está pronta. É uma equipe que está sendo construída. Tem equipes que estão à frente. Temos de melhorar a nossa equipe. Temos a Copa do Brasil. O Cruzeiro está à nossa frente, o Internacional, o São Paulo. Eles têm um trabalho de seis, sete anos. Temos de caminhar mais rápido do que eles. Mas só vai depender deles para chegar à seleção. Temos de fazer mais ações. Mas não é que este grupo não possa ganhar, mas temos de enriquecer essa equipe um pouco mais para podermos melhorar no segundo semestre.

Thiago Neves
  Ainda não mostrou tudo. Ainda tem espaço para crescer. Conhecemos o Thiago Neves do Fluminense, que era um jogador mais agudo e frequente na entrada da área. Tem de ajustar mais a marcação e tem de chegar na frente. Tenho de usar esses jogadores talentosos. Requer tempo para eles entenderem a hora certa um avançar e outro segurar.

Penalidades
  O mais importante não é o batedor. A histórico nos pênaltis mostra que os grandes batedores geralmente perderam. O Zico perdeu pênalti. O Julio Cesar. O segredo é o goleiro. O Dida, o Bruno e o Felipe são grandes pegadores. O adversário sabe que tem de tirar um pouco mais porque se bobear ele perde. E tirar mais dificulta e pode jogar a bola para fora. Mas é sempre difícil. O Diego Maurício não treina pênalti e fez o gol que nos classificou contra o Fluminense.

Substituição na final
  Ontem teve uma história legal. O Dario estava jogando mais que o Thiago e o Ronaldinho. Tecnicamente e taticamente. O Vasco jogou em cima do Alvim com o Eder, abrindo pelo lado direito. Coloquei o Dario para ajudar ali. No segundo tempo, mudou de lado. Passaram a jogar nas costas do Galhardo, que estava cansado. Tirei o Dario. Vale a experiência nestes momentos. O Ronaldinho e o Thiago Neves, o Vasco conhece e se sente intimidado, porque são jogadores que podem decidir em um lance. Isso faz a diferença. Não se tira um jogador talentoso do jogo. Se eu tiro eles, o Vasco cresce, porque não tem ninguém para incomodar. Perdi um jogo assim, contra o Juventus. Tirei o Zidane e o Ronaldo. Os dois vinham de lesão. A partir deste momento, o Capello jogou para cima de mim. Aconteceu no Barcelona e Real Madrid. O Mourinho colocou o time para jogar com três volantes jogando no Bernabeu. Fez uma lambança para lá de metro. Mas se fosse o Luxemburgo... Essa é a explicação de ter tirado o Dario.

Fonte: Site Oficial do Flamengo

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mais fotos da final









Fotos: Silmara A. Pereira

FINAL CARIOCA 2011

ALGUMAS FOTOS DA FINAL DO CARIOCA 2011 E LINK DE DOIS VÍDEOS.

Tudo certo... de novo!

Pois é galera, mais uma vez podemos juntos comemorar um título do Mengo na Fla Brusque!
Quero agradecer a todas as pessoas que colaboram não somente com a rifa, mas tambem com tudo que pedimos durante o dia de ontem.
A Fla Brusque tem sede a 3 anos e nao parou ainda de comemorar títulos, e considerando que estamos somente no começo do ano, portanto, o ano promete!
Quinta feira tem copa do Brasil e novamente estaremos la com nosso manto sagrado pra ver o Flamengo jogar.
Não sou muito adepto a deboches e gozaçoes, porem de forma sadia como a rivalidade tem que ser deixo mensagem para os vices pra sempre:

Eu ja estava com saudades do nosso eterno vice, porem só não entendi porque o Fantástico ontem não ofereceu música pra quem perdeu 3 penaltis....

Boa Semana a Todos,

SRN

domingo, 1 de maio de 2011

Hino do Fla

Na vitória ou na derrota a melhor música pra ouvir e em uma versão de violão pra começar bem o domingo!
Homenagem ao meu pai Elias Fidelis, já que; graças a ele sou Flamengo!

SRN!